Escrito para a eternidade: conheça a história do Hino do Inter


http://platform.twitter.com/widgets/tweet_button.3beb63f1e7d4b547a42d79c021627bc3.en.html#_=1447009508630&count=horizontal&dnt=false&id=twitter-widget-0&lang=en&original_referer=http%3A%2F%2Fwww.internacional.com.br%2Fconteudo%3Fmodulo%3D2%26setor%3D18%26codigo%3D31285&size=m&text=Internacional%20-%20Site%20oficial&type=share&url=http%3A%2F%2Fwww.internacional.com.br%2Fconteudo%3Fmodulo%3D2%26setor%3D18%26codigo%3D31285&via=SCInternacional

Quase 50 anos anos haviam passado desde a fundação do Sport Club Internacional. Paradigmas de uma sociedade ainda segregante haviam sido quebrados pelo clube nascido em 4 de abril de1909, que se tornou democrático e aberto para todas as classes sociais e raciais. O ‘Rolo Compressor’, time lendário de Tesourinha, Russinho, Vilalba, Rui, Carlitos e Cia, já escrevera capítulos importantes da história alvirrubra na década de 1940. O Estádio dos Eucaliptos vivia sua era final, quase dando lugar ao Beira-Rio. Mas ainda faltava uma canção para celebrar o orgulho de ser colorado e de torcer pelo Internacional. O Clube do Povo precisava de um hino oficial. Foi então que, de maneira despretensiosa, em uma tarde do ano de 1957, surgiram os versos do ‘Celeiro de Ases’.

O carioca Nélson Silva, nascido em 16 de junho de 1916, havia chegado em 1943 a Porto Alegre, junto ao seu grupo musical ‘Águias da Meia-Noite’. Gostou da cidade e decidiu ficar. Além de músico, também era produtor e ator de rádio e televisão. Arranjou emprego na TV Piratini e na Rádio Farroupilha, onde criou, ao lado de J. Antônio D’Ávila, o mais famoso programa de rádio dos anos 50: ‘A Rádio – Sequência’. Do Rio de Janeiro, trouxe o amor pelo Flamengo, mas logo se identificou com o Internacional. Mais do que isso. Aprendeu a amar o time vermelho da capital gaúcha, tanto que antes de falecer, em 16 de março de 1983, aos 66 anos, disse que ser colorado e autor do hino do Clube eram seus maiores patrimônios. E, de fato, sua criação ‘Celeiro de Ases’ (esse nome em alusão ao ‘Rolo Compressor’, segundo o próprio autor), está eternizada na história do Inter.

Como bom compositor, Nélson Silva deixava as ideias fluírem. Não importava a situação ou o local. Quando a inspiração vinha, tinha que ter uma caneta em punho. E foi exatamente assim, de maneira inusitada e genuína, que nasceu o hino que é entoado até os dias de hoje pelos colorados. Mas, diferente do que se poderia imaginar, a criação não foi motivada por uma vitória do Inter. Foi em uma derrota para o Aimoré, em São Leopoldo, em 1957, que mexeu com os brios do carioca . “Nasceu de pura raiva este hino. Eu estava esperando minha noiva, Ieda, na Rádio Farroupilha, e com os ouvidos bem abertos esperando uma reação do Inter. Quando acabou o jogo, nós tínhamos perdido (3 a 0), e eu estava sem acreditar, desesperado da vida. Sentei em uma mesa e comecei a botar as ideias que tinha na cabeça no papel. Em meia hora, com aquela raiva toda, surgiu a marchinha ‘Celeiro de Ases’ que eu mesmo musiquei”, declarou Nélson Silva em matéria publicada no Jornal do Inter de 15 de novembro de 1975.

Porém, o conhecimento da canção pelo público não foi imediato. No final da década de 1950, o Inter promoveu um concurso para a escolha do aguardado hino. A marchinha criada por Silva não concorreu oficialmente, mas já havia caído nas graças da nação vermelha e branca. “Durante muito tempo guardei para mim. Tinha sido um desabafo. Não era uma música. Depois eu me dei conta que ser colorado era isso mesmo: os sentimentos mandando. Então comecei a mostrar a música devagarzinho, cantando na rádio, nos bares e nas serestas. Daí foi pegando o embalo. Todo mundo falou para eu inscrever no concurso, mas eu pensei: ‘Se o pessoal já gostou, não vai ser um concurso que vai mudar isso’. Um dia fui ao Inter e disse para os homens: ‘tô dando os direitos do hino pro Inter’. Nunca ganhei nada com o hino. Quer dizer, falando em dinheiro, porque amizade ganhei muito. Chego no Beira-Rio hoje e é aquela festa”, contou à publicação oficial do Clube.

Visionário

Outra curiosidade é que o ‘Celeiro de Ases’ foi escrito 18 anos antes do Inter sagrar-se campeão brasileiro. E, nas estrofes, Silva profetizou: ‘Glória do Desporto Nacional’/Colorado das Glórias, Orgulho do Brasil’. Um mês antes do time treinado por Rubens Minelli conquistar o inédito título nacional, em 14 de dezembro de 1975, o autor explicou de onde veio tanta certeza: “Hoje o pessoal me pergunta como é que eu fiz o hino há quase 20 anos prevendo que o Inter era o melhor do Brasil. Aí eu sempre respondo: ‘para mim, o Inter sempre foi o melhor do Brasil’. É isso que pensa sempre todo bom colorado”, disse.


‘Gigante da Beira-Rio’

Você sabia que a casa dos colorados tem um hino? Além do ‘Celeiro de Ases’, Nélson Silva também presenteou o Inter com uma canção feita especialmente para o Beira-Rio. Confira a letra:

Lá onde se vê o vermelho do poente
A tingir as águas do Guaíba dolente
E qual pôr do sol sempre é mais colorado
Lá e muito além hão de ouvir nosso brado.

Lá onde um crepúsculo de imensa beleza
Tal qual um presente belo da natureza
Faz caminho para o passeio da lua
Vaidosa da beleza sua.

Aqui no esplendor do poente
Vibrante, majestoso e colossal
Gigante Beira-Rio imponente
Estádio do nosso Internacional.

A mostrar toda a fibra colorada
Velhos baluartes, sangue novo
Pela grandeza do nosso Rio Grande
Para glória do Clube do Povo.

‘Celeiro de Ases’

Glória do desporto nacional
Oh, Internacional
Que eu vivo a exaltar
Levas a plagas distantes
Feitos relevantes
Vives a brilhar
Correm os anos surge o amanhã
Radioso de luz, varonil
Segue a tua senda de vitórias
Colorado das glórias
Orgulho do Brasil

É teu passado alvirrubro
Motivo de festas em nossos corações
O teu presente diz tudo
Trazendo à torcida alegres emoções
Colorado de ases celeiro
Teus astros cintilam num céu sempre azul
Vibra o Brasil inteiro
Com o clube do povo do Rio Grande do Sul

A partitura do hino colorado

Sobre lucasdefraga

Guri gaúcho, colorado e que cursa Sistemas de Telecomunicações.

Publicado em 8 de novembro de 2015, em Estórias ou Histórias, Futebol, Inter, Separatista. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: